sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Fazer Maria sorrir

«Se queres que Maria fique contente, se queres fazer com que Ela sorria, faz com que Ela veja novamente o Seu Jesus, em ti.»
Beata Maria Cândida da Eucaristia | 1884 - 1949
Novene, Pensieri, Poesie, 16

Pedir a Maria que torne decidida a minha vontade

«Quero fixar o olhar em Maria, quero tomá-La por modelo. Tenho tanta necessidade da sua ajuda a materna para obter do Deus bendito,
a completa transformação do meu espírito.


 Com coração humilde invocarei frequentemente a minha a Mãe querida, Maria, e com ternura filial, Lhe pedirei para tornar decidida a minha vontade, para praticar a virtude ainda que me custe o sangue

Beata Maria Josefina de Jesus Crucificado | 1894 - 1948
Diário II, P.134

Vontade de Deus de cada momento

"Um bom dia na docilidade à vontade de Deus de cada momento"

Focolarina Graça

domingo, 6 de Julho de 2014

Momentos de namoro com Deus

"Também sei o quão apaixonante e envolvente é Deus, sempre pronto a arrebatar-nos (...)
E como são gratificantes e prazentosos os momentos de namoro com Deus (também chamados de oração (....).
Mas as relações longas têm todos momentos espinhosos, um lifelong affair com Deus não é exceção.
Não me refiro as zangas com Deus, que são geralmente muito úteis. Não: não me imagino a suportar aqueles momentos, que, dizem-me, todos passam, de secura espiritual e em que Deus aparentemente se esconde (...) " 
 
Maria João Marques
In Insurgente 6/07/2014

sexta-feira, 4 de Julho de 2014

A cruz a partir da Eucarístia em direção à vida

We cannot avoid it: we must be the first to accept and embrace the scandal of the Cross, recognize it as the central content of the Church’s doctrine, life and mission, and so, not calculating the results, but confident in the infinite power of God’s grace, go into the world so that it will be converted and healed by the Cross of Christ.

Woe to those Catholics, woe to that Church, that wants to convey another Jesus without the Cross! It will lose its essence, strength, soul and its exclusive power of grace. In addition. it will become more and more useless and unbearable to the world that it wanted to reach. A Church without the Sacrifice and the Cross is detestable and unbearable to the world.

What is more, the world is now ready to savage such an empty Church.

In hoc signo vinces, is not only a memory from past history, it is the truth of every single moment: the victory is in the Cross and of those who bring it and show it to the world, without human calculations.

O Crux, ave, spes unica, Hail O Cross, our only hope; if there isn’t a return to this clarity in all things – truly in the entire Church - the disaster will be inevitable.

This return begins though with the Holy Sacrifice of the Mass.

If faced with this devastating picture of confusion we feel powerless; if powerless we are wondering what to do and above all where to begin, let’s remember that the rebuilding of the Church will always start from the Holy Sacrifice of the Mass. Let’s not make human calculations, let’s not make the same mistakes of the 60s, let’s not go into the world, with our techniques, not even to rebuild Tradition, but let’s start again from the Mass.
 
A return to the right Mass will rectify (...) the lives of Christians who are called to participate in the Sacrifice of Christ with every fiber of their being.
 
 
Editorial: Radicati nella fede, July 2014
Newsletter of the Catholic community of
Domodossola and Vocogno, Diocese of Novara, Italy
 

sexta-feira, 20 de Junho de 2014

A comunhão é o Sol da nossa vida quotidiana

«Um dia sem comunhão pode assemelhar-se
a um dia sem sol,
sem pão,
sem sorriso,
sem repouso.
Reza para que nunca te aconteça isso,
por tua culpa.»

Beata Maria Cândida da Eucaristia | 1884 - 1949
Novene, Pensieri, Poesie, 62

Atravessar o deserto em direção à Jerusalém Celestial

A fuga do povo Israelita do Egito, e todas as dificuldades que encontraram pelo caminho, simboliza o percurso que todos nós, na vida, temos de enfrentar para chegar à Santidade e à Paz do Céu. 
 
 
(Dt 8,2-3.14b-16a)

Leitura do Livro do Deuteronômio:
Moisés falou ao povo, dizendo: 2Lembra-te de todo o caminho por onde o Senhor teu Deus te conduziu, esses quarenta anos, no deserto, para te humilhar e te pôr à prova, para saber o que tinhas no teu coração, e para ver se observarias ou não seus mandamentos.
3Ele te humilhou, fazendo-te passar fome e alimentando-te com o maná que nem tu nem teus pais conhecíeis, para te mostrar que nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca do Senhor.
14bNão te esqueças do Senhor teu Deus que te fez sair do Egito, da casa da escravidão, 15e que foi teu guia no vasto e terrível deserto, onde havia serpentes abrasadoras, escorpiões, e uma terra árida e sem água nenhuma. Foi ele que fez jorrar água para ti da pedra duríssima, 16ae te alimentou no deserto com maná, que teus pais não conheciam.

terça-feira, 3 de Junho de 2014

Deus está próximo

"Tem por certo que, quanto mais crescem os assaltos do demónio, tanto mais próximo da alma está Deus"

Padre Pio

domingo, 1 de Junho de 2014

Coisas pequenas com Amor

"Nesta vida não podemos fazer coisas grandes, mas podemos fazer coisas pequenas com um grande Amor"

Madre Teresa de Calcutá

Não esperar pelas condições favoráveis


"Se, para anunciar o Evangelho, ficamos à espera que as condições sejam favoráveis, vamos ficar todos à espera até ao nosso último dia, isto é, até ao dia do Juízo"

Henri de Lubac

Sorrir pelo que fazemos

"Aquilo que surpreende os outros não é tanto aquilo que fazemos, mas o ver que nos sentimos felizes por o fazer e sorrimos quando o fazemos"
Madre Teresa de Calcutá.

Arrebentar com os grilhões

"Para receber o Espírito Santo temos de nos purificar.
Temos de arrebentar com tudo o que na Familia, no trabalho, na rua e em casa nos possa impedir de receber o Espírito Santo"

Cónego César Chantre
1/6/2014 Festa da Ascensão

sexta-feira, 30 de Maio de 2014

É o natural

«Quando reconheço ter caído nalguma falta, concordo que fiz mal e digo:“é o meu natural, só isto é que sei fazer”;se não faltei em nada, dou graças a Deus e confesso que foi porque Ele me ajudou.»

Frei Lourenço da Ressurreição | 1614 – 1691 A prática da presença de Deus. IV, 3

Firme e Feliz

"Quando te sintas triste porque não te sucedeu o que o teu coração queria, mantém-te firme e feliz.
Deus está a pensar em algo melhor para ti"

Papa Francisco

terça-feira, 27 de Maio de 2014

Fortalecer-nos de humildade

«Não nos queixemos de temores,
nem nos desanime o ver fracos os nossos esforços e natureza,
mas procuremos fortalecer-nos de humildade
e entender o pouco que podemos por nós mesmas
e que, se Deus não nos favorece,
não somos nada.»

Santa Teresa de Jesus | 1515 – 1582
Conceitos de Amor de Deus

Jesus em Getsemani

«[Jesus] saiu então e foi (…) para o Monte das Oliveiras. E os discípulos seguiram também com Ele» (Lc 22, 39).

Quando chega a hora marcada por Deus para salvar a humanidade da escravidão do pecado, Jesus retira-Se aqui, no Getsémani, ao pé do Monte das Oliveiras. Encontramo-nos neste lugar santo, santificado pela oração de Jesus, pela sua angústia, pelo seu suor de sangue; santificado sobretudo pelo seu «sim» à vontade amorosa do Pai. Quase sentimos temor de abeirar-nos dos sentimentos que Jesus experimentou naquela hora; entramos, em pontas de pés, naquele espaço interior, onde se decidiu o drama do mundo.

Naquela hora, Jesus sentiu a necessidade de rezar e ter perto d’Ele os seus discípulos, os seus amigos, que O tinham seguido e partilhado mais de perto a sua missão. Mas o seguimento aqui, no Getsémani, torna-se difícil e incerto; prevalecem a dú
vida, o cansaço e o pavor. Na rápida sucessão dos eventos da paixão de Jesus, os discípulos assumirão diferentes atitudes perante o Mestre: de proximidade, de distanciamento, de incerteza.

Será bom para todos nós –
bispos, sacerdotes, pessoas consagradas, seminaristas – perguntarmo-nos neste lugar: Quem sou eu perante o meu Senhor que sofre?

Sou daqueles que, convidados por Jesus a velar com Ele, adormecem e, em vez de rezar, procuram evadir-se fechando os olhos frente à realidade?

Reconheço-me naqueles que fugiram por medo, abandonando o Mestre na hora mais trágica da sua vida terrena?

Porventura há em mim a hipocrisia, a falsidade daquele que O vendeu por trinta moedas, que fora chamado amigo e no entanto traiu Jesus?

Reconheço-me naqueles que foram fracos e O renegaram, como Pedro? Pouco antes, ele prometera a Jesus segui-Lo até à morte (cf. Lc 22, 33); depois, encurralado e dominado pelo medo, jura que não O conhece.

Assemelho-me àqueles que já organizavam a sua vida sem Ele, como os dois discípulos de Emaús, insensatos e de coração lento para acreditar nas palavras dos profetas (cf. Lc 24, 25)?
Ou então, graças a Deus, encontro-me entre aqueles que foram fiéis até ao fim, como a
Virgem Maria e o apóstolo João? No Gólgota, quando tudo se torna escuro e toda a esperança parece extinta, somente o amor é mais forte que a morte. O amor de Mãe e do discípulo predileto impele-os a permanecerem ao pé da cruz, para compartilhar até ao fundo o sofrimento de Jesus.

Reconheço-me naqueles que imitaram o seu Mestre e Senhor até ao martírio, dando testemunho que Ele era tudo para eles, a força incomparável da sua missão e o horizonte último da sua vida?

A amizade de Jesus por nós, a sua fidelidade e a sua misericórdia são o dom inestimável que nos encoraja a continuar, com confiança, a segui-Lo, apesar das nossas quedas, erros e traições.

Todavia esta bondade do Senhor não nos isenta da vigilância frente ao tentador, ao pecado, ao mal e à traição que podem atravessar também a vida sacerdotal e religiosa. Sentimos a desproporção entre a grandeza da chamada de Jesus e a nossa pequenez, entre a sublimidade da missão e a nossa fragilidade humana. Mas o Senhor, na sua grande bondade e infinita misericórdia, sempre nos toma pela mão, para não nos afogarmos no mar do acabrunhamento.

Ele está sempre ao nosso lado, nunca nos deixa sozinhos. Portanto, não nos deixemos vencer pelo medo e o desalento, mas, com coragem e confiança, sigamos em frente no nosso caminho e na nossa missão.

 (...)

Imitemos a Virgem Maria e São João, permanecendo junto das muitas cruzes onde Jesus ainda está crucificado. Esta é a estrada pela qual o nosso Redentor nos chama a segui-Lo. Não há outra, é esta.

«Se alguém Me serve, que Me siga, e onde Eu estiver, aí estará também o meu servo» (Jo 12, 26).


Papa Francisco, 26-5-2014 Jerusalém Igreja de Getsemani

quinta-feira, 22 de Maio de 2014

Permancei em mim

«”Permanecei em Mim”.
É o próprio Verbo de Deus que dá esta ordem,
e que exprime esta vontade.
Morai em Mim,
não por alguns instantes, algumas horas que têm de passar,
mas «morai...»
num modo permanente, habitual.
Permanecei em Mim,
orai em Mim,
adorai em Mim,
amai em Mim,
sofrei em Mim,
trabalhai,
agi em Mim.
Permanecei em Mim
quando vos apresentardes a qualquer pessoa
ou fizerdes qualquer coisa,
penetrai sempre cada vez mais nesta profundidade.
Esta é, então, verdadeiramente, a “solidão, a que Deus quer atrair a alma para lhe falar”, como cantava o profeta.

Beata Isabel da Trindade | 1880 - 1906
O Céu na terra. Primeiro dia, 3

Honra tua Mãe !

«Honra muito a Maria.
É tua Mãe;
e é tão boa e carinhosa
que jamais deixará de velar por ti.»

Santa Teresa dos Andes | 1900 - 1920
Carta 147

sábado, 17 de Maio de 2014

Sacrificarmo-nos a Ele

«Devemos crer, sem nunca duvidar,
que é vantagem para nós e agradável a Deus,
sacrificarmo-nos a Ele;
que é próprio da Sua divina Providência
abandonar-nos a toda a espécie de estados,
a sofrer toda a sorte de penas, misérias e tentações
por amor de Deus
e isto durante o tempo que Lhe apraz,
porque sem essa submissão do coração e do espírito
à vontade de Deus,
a devoção e a perfeição não podem subsistir.»

Frei Lourenço da Ressurreição | 1614 - 1691
A prática da presença de Deus. VII, 3

sexta-feira, 16 de Maio de 2014

Como anda a oração na minha vida ?

"Somente se formos capazes de entrar no seu mistério poderemos conhecer Jesus, “sem medo”: Podemos hoje, durante o dia, pensar em como anda a porta da oração na minha vida: mas a oração do coração, não a do papagaio!
Como anda a celebração cristã na minha vida?
E a imitação de Jesus? Como imitá-Lo? 
Papa Francisco. 
Homilia na Casa de Santa Marta, 16 de Maio de 2014

Arquivo do blogue