sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Uma pessoa enamorada enche o dia de delicadezas

"Uma pessoa enamorada enche o dia de delicadezas, não contorna o sacrifício, nem a entrega, nem se deixa levar por desculpas ou regateios.
Essa alma, ainda sendo feliz, nunca está satisfeita da sua entrega ao amado: menos ainda, quando é Deus o mote do seu amor"


Beato Álvaro del Portillo. Bispo.

In Recuerdo de Alvaro del Portillo. Prelado do Opus Dei. Salvador Bernal, Rialp, pág. 20

Um farol na noite

´"Não é um estado de ânimo, nem depende da saúde, nem da situação profissional ou familiar em que um se encontre.
Por cima da ressaca da vida, com os seus altos e baixos, com as suas dores e alegrias, a nossa vocação divina brilha sempre como um farol na noite, assinalando inequivocamente o rumo do nosso caminhar para Deus.
Isto é o que conta, minhas filhas e meus filhos.
Isto é o definitivo.
Tudo o resto que possa acontecer-nos, é transitório.
Não o esqueçamos nunca !"

Beato Álvaro del Portillo. Bispo.

In Recuerdo de Alvaro del Portillo. Prelado do Opus Dei. Salvador Bernal, Rialp, pág. 20

domingo, 30 de novembro de 2014

Minha alma anseia pelos átrios do Senhor

Salmo Responsórial (Sl 83)

— Eis a tenda de Deus, no meio do povo!
— Eis a tenda de Deus no meio do povo!

— Minha alma desfalece de saudades e anseia pelos átrios do Senhor!

- Meu coração e minha carne rejubilam e exultam de alegria no Deus vivo!

— Mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa, e a andorinha ali prepara o seu ninho, para nele seus filhotes colocar: vossos altares, ó Senhor Deus do universo!
(....)

— Felizes os que habitam vossa casa; para sempre haverão de vos louvar!

- Felizes os que em vós têm sua força, caminharão com um ardor sempre crescente.

sábado, 22 de novembro de 2014

A Eucarístia nas palavras do Beato D. Álvaro del Portillo

Para o Beato D. Álvaro del Portillo, Bispo, o sacrifício Eucarístico era "o prodígio inefável que a Omnipotência de Deus renova em cada dia"

E, em 1998, no auditório da Universidade de Montreal do Canadá, em 1988, dizia o seguinte:
"Deus é infinitamente Poderoso, infinitamente Belo. Não podemos imaginar como é. A música mais doce, a sinfonia mais maravilhosa, as cores mais incrivelmente belas, todo o mundo e o universo inteiro é nada ao seu lado.
E esse Deus infinitamente grande, infinitamente poderoso, infinitamente formoso, oculta-se sobre a aparência de pão, para que nós possamos aproximar-nos d'Ele com confiança".

Cfr. Recordações do Beato Álvaro del Portillo. Salvador Bernal. Edições Rialp. Página 86 e 87.

Deus é o nosso cirurgião


Resposta do Beato Álvaro del Portillo a uma comunicação que lhe fez o então Bispo de Madrid relativamente a uma dificuldade que tinha surgido:
 
"Não se preocupe, Sr Bispo. Nós vemos que isto é algo que Deus permite para que, com o sacrifício que nos manda, sejamos melhores; e estamos contentes porque quando um bom cirurgião quere fazer uma boa operação, escolhe um bom instrumento e o Senhor quis utilizar um bisturi de platina para esta contradição".
 
 
In Recordações do Beato Álvaro del Portillo. Salvador Bernal. Edições Rialp. Página 81

Maria santifica as pequenas coisas

"Maria santifica as mais pequenas coisas, aquilo que muitos consideram erradamente como não transcendente e sem valor:
o trabalho de cada dia,
os pormenores de atenção com as pessoas queridas,
as conversas e as visitas por motivo de parentesco ou de amizade...
 
Bendita normalidade, que pode estar cheia de tanto amor de Deus!

Na verdade, é isso o que explica a vida de Maria: o amor.
Um amor levado até ao extremo, até ao esquecimento completo de si mesma, contente por estar onde Deus quer que esteja e cumprindo com esmero a vontade divina.
Isso é o que faz com que o mais pequeno dos seus gestos nunca seja banal, mas cheio de significado. Maria, nossa Mãe, é para nós exemplo e caminho.
Havemos de procurar ser como Ela nas circunstâncias concretas em que Deus quis que vivêssemos.

Procedendo deste modo, daremos aos que nos cercam o testemunho de uma vida simples e normal, com as limitações e com os defeitos próprios da nossa condição humana, mas coerente"

S. José Maria Escrivá. É Cristo que passa. Ponto 148

Um dia com o Beato Álvaro del Portillo

"Uma noite de 1985,anotei (...)
«Um dia mais, muito normal em tudo, com esse tom sereno -cheio de oração e de trabalho- que se vive sempre junto a dom Álvaro»"

 Salvador Bernal, in "Recordações de Alvaro del Portillo". Edições Rialp. Página 11

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

A santidade do dia a dia




"A santidade é algo maior, mais profundo que Deus nos dá.
Antes, é justamente vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho cristão nas ocupações de cada dia que somos chamados a nos tornar santos.
E cada um nas condições e no estado de vida em que se encontra.
(...)  É casado? Seja santo amando e cuidando do teu marido ou da tua esposa, como Cristo fez com a Igreja.
(...)
 “Mas, padre, eu trabalho em uma fábrica; eu trabalho como contabilista, sempre com os números, ali não se pode ser santo…” – “Sim, pode!
Ali onde você trabalha você pode se tornar santo. Deus te dá a graça de se tornar santo. Deus se comunica a você”.
Sempre em cada lugar é possível tornar-se santo, isso é, pode-se abrir a esta graça que nos trabalha por dentro e nos leva à santidade.
(...) 
E é preciso tanta paciência para isto, para ser um bom pai, um bom avô, uma boa mãe, uma boa avó, é preciso tanta paciência e nesta paciência vem a santidade: exercitando a paciência.
(...)
 Então: cada estado de vida leva à santidade, sempre!
Na sua casa, na estrada, no trabalho, na Igreja, naquele momento e no teu estado de vida foi aberto o caminho rumo à santidade.
Não desanimem de andar neste caminho.
É o próprio Deus que nos dá a graça. O Senhor só pede isto: que nós estejamos em comunhão com Ele e a serviço dos irmãos.
3. Neste ponto, cada um de nós pode fazer um pouco de exame de consciência, agora podemos fazê-lo, cada um responde a si mesmo, dentro, em silêncio:
como respondemos até agora ao chamado do Senhor à santidade?
Tenho vontade de me tornar um pouco melhor, de ser mais cristão?
Este é o caminho da santidade.
Quando o Senhor nos convida a nos tornar santos, não nos chama a algo de pesado, de triste…
Tudo outra coisa! É um convite a partilhar a sua alegria, a viver e a oferecer com alegria cada momento da nossa vida fazendo-o se tornar ao mesmo tempo um dom de amor para as pessoas que estão próximas a nós.
Se compreendemos isso, tudo muda e adquire um significado novo, um significado belo, um significado a começar pelas pequenas coisas de cada dia.
Um exemplo. Uma senhora vai ao supermercado fazer as compras e encontra uma vizinha e começam a falar e depois vem as fofocas e esta senhora diz: “não, não, não, eu não falarei mal de ninguém”. Isto é um passo para a santidade, ajuda-nos a nos tornar mais santos.
Depois, na sua casa, o filho te pede para falar um pouco das suas coisas fantasiosas: “ah, estou tão cansado, trabalhei tanto hoje…” – “Você se acomode e escute o teu filho, que precisa disso!”.
E você se acomoda, escute com paciência: isto é um passo para a santidade.
Depois termina o dia, estamos todos cansados, mas tem a oração.
Façamos a oração: também isto é um passo para a santidade.
Depois chega o domingo e vamos à Missa, fazemos a comunhão, às vezes precedida de uma bela confissão que nos limpa um pouco. Este é um passo para a santidade.
Depois pensamos em Nossa Senhora, tão boa, tão bela, e pegamos o rosário e o rezamos. Este é um passo para a santidade.
Depois vou pelo caminho, vejo um pobre necessitado, paro, pergunto algo pra ele, dou algo a ele: é um passo para a santidade.
São pequenas coisas, mas tantos pequenos passos para a santidade.
Cada passo para a santidade nos tornará pessoas melhores, livres do egoísmo e do fechamento em si mesmo, e abertos aos irmãos e às suas necessidades."
Papa Francisco Audiência Geral 19-11-2014

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

O Reino de Deus cresce dentro em silêncio

 
 
 
“(...) o Reino de Deus é silencioso, cresce dentro”. Em seguida, Francisco citou as palavras de Jesus: “também para o Reino chegará o momento de manifestar a força, mas será somente no final dos tempos”.
“O dia em que fará barulho, o fará como um relâmpago que atravessa os céus. Assim fará o Filho do homem no seu dia, no dia em que fará barulho. E quando se pensa na perseverança de tantos cristãos – homens e mulheres – que levam adiante a família, que cuidam dos filhos, que cuidam dos avós, que chegam ao fim do mês com meio euro no bolso mas rezam, ali está o Reino de Deus; escondido na santidade da vida cotidiana, na santidade de todos os dias, porque o Reino de Deus não está longe de nós, está perto! Esta é uma das suas características: proximidade, todos os dias”.
Também quando descreve o seu retorno numa manifestação de glória e de poder, Jesus – insistiu o Papa – acrescentou que “antes é necessário que ele sofra muito e seja rejeitado por esta geração”. Isto quer dizer, notou o Papa, que “o sofrimento, a cruz, a cruz cotidiana da vida – a cruz do trabalho, da família, de fazer bem as coisas – esta pequena cruz cotidiana é parte do Reino de Deus”. E encerrou: peçamos ao Senhor a graça de “zelar pelo Reino de Deus que está dentro de nós com a oração, a adoração e o serviço da caridade, silenciosamente”.
O Reino de Deus é humilde, como a semente: humilde; mas cresce, eh? Pela força do Espírito Santo. A nós cabe deixá-lo crescer em nós, sem nos vangloriar; deixar que o Espírito venha, nos transforme a alma e nos leve avante no silêncio, na paz, na serenidade, na proximidade a Deus, aos outros, na adoração a Deus, sem espetáculos”.
 
Papa Francisco
Homilia da Casa de Sta Marta 13 de Novembro de 2014

domingo, 9 de novembro de 2014

A aridez do poeta

"Estou contente, muito contente, Luisa.
O Senhor andou a experimentar-me, fechou-me a garganta por dois meses, a ver se eu perdia a Fé.
Ora eu, apesar de me doer este pseudo-esquecimento, não descri.
E Deus recompensou-me.
Ontem saí, com luar.
A dez passos de casa rezei, de joelhos, as minhas orações do costume; pedi depois, enquanto andava, muitas coisas a Deus: que me deixasse ser bom, que me evitasse o orgulho, que me desse ordem de ser Poeta.
Quando voltei a casa, à uma da noite, trazia um soneto: escrevi-o, ajoelhei-me a agradece-lo, esse presente de anos"

Sebastião da Gama. Carta I. páginas 55 a 56

Deus virá ao romper do dia

Salmos 46(45),2-3.5-6.8-9.

Deus é o nosso refúgio e a nossa força,
ajuda permanente nos momentos de angústia.
Por isso, não temos medo, mesmo que a terra trema,
mesmo que as montanhas se afundem no mar.

Um rio, com os seus canais, alegra a cidade de Deus,
a mais santa entre as moradas do Altíssimo.
Deus está no meio dela, não pode vacilar;
Deus irá em seu auxílio, ao romper do dia.

A paciência na provação

«Para conservar a paciência na provação,
considerai Jesus sobre a Cruz.
Todos O injuriavam,
todos mofavam d’Ele e das Suas dores;
Ele suportava tudo em silêncio.


 Tudo passa.
Nos vossos sofrimentos pensai
que glorificais a Deus.


 Nesta terra o Senhor faz tudo por vós;
sofrei tudo por Ele.
Pensai sempre que Nossa Senhora
será a vossa Mãe.


 Pensai também que
depois das penas e das humilhações
estareis no Paraíso.
Oh, qual não será então a vossa glória,
a vossa alegria!...»

Beata Maria de Jesus Crucificado | 1846 - 1878
Elevações espirituais. 37

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Começar cada dia com nova determinação

Se queremos conseguir qualquer progresso no serviço de Deus devemos começar cada dia da nossa vida com nova determinação

 

S.Carlos Borromeu (1538-1584

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

A vida é uma milícia


“A vida é uma milícia.
A vida cristã é uma luta, uma luta belíssima, porque quando o Senhor vence em cada passo da nossa vida, dá-nos uma alegria, uma felicidade grande: aquela alegria que o Senhor fez vencer em nós com a sua gratuidade de salvação.
Mas sim, todos somos um pouco preguiçosos, na luta, e deixamo-nos levar por paixões e por algumas tentações.
É porque somos pecadores, todos!
Mas não vos desencorajeis.
Coragem e força, porque o Senhor está connosco"

Homilia da Casa de Santa Marta.
Papa Francisco 30-X-2014

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Lembre-se dos seus pecados e feche a boca




 
 
Quantas pessoas se sentem superior aos outros.
Também nós dizemos como aquele fariseu da parábola: ‘Lhe agradeço, Senhor, porque não sou como aquela pessoa, sou superior’.
Jamais faça isso.
Se houver a tentação, lembre-se dos seus pecados, daqueles que ninguém conhece e envergonhe-se diante de Deus e feche a boca.”
 
Papa Francisco, Audiência Geral de 22-X-2014

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Os efeitos da concupiscência

17A paixão que queima como o fogo
não pode ser apagada até totalmente se consumir.
O mulherengo entrega o seu corpo à fornicação
e não vai parar até ser destruído pelo fogo da sua paixão.
Para ele, todo o pão é doce e só vai parar quando morrer.
 
18 O homem infiel ao leito conjugal diz na sua alma:
«Quem me vê? A escuridão cerca-me e as paredes escondem-me.
Ninguém me vê. De que hei de ter medo?»
 
19Esse homem só teme o olhar dos homens,
e não entende que os olhos do Senhor são dez mil vezes mais brilhantes do que o Sol,
que observam todos os caminhos dos homens
e penetram até mesmo nos lugares mais escondidos.
 
20Antes de criar o mundo, Deus já conhecia tudo;
assim também ele tudo conhece depois de o ter criado.
 
21Tal homem será castigado em praça pública
e onde não esperava será apanhado.
 
Livro de Ben-Sirá 23, 17-21

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Meu Pai deleita-se contigo

«Goza do bem que te foi dado,
que é muito grande;
Meu Pai deleita-Se contigo
e o Espírito Santo ama-te.»

Santa Teresa de Jesus | 1515 - 1582
Contas de Consciência, 10

Alexandrina de Balasar: Não pequeis mais !

"Pecadores, convertei-vos!
Vinde a Jesus!
Não fomos criados para a Terra, mas sim para o Céu!
Não ofendais a Nosso Senhor!
Ah!, se soubésseis o que é uma ofensa feita ao Seu Divino Coração!
Eu vivi por vós, sofri por vós, morri por vós e por vós vou continuar o meu Céu.
Foram por vós todas as minhas aspirações.
Não queria um só momento de deixar de aos vossos ouvidos falar do amor que Jesus nos tem e o que é a nossa ingratidão para com Ele, quando pecamos.
Queria dizer muita coisa para os não deixar cair no pecado.
Amai o Senhor! Amai o Senhor! Temei o inferno!»
(Sentimentos da Alma; 07/08/1953)
 
 
 
Diz-nos Alexandrina, no epitáfio, junto do seu túmulo:
 
«Convertei-vos! Não ofendais a Jesus, não queirais perdê-Lo eternamente!
Ele é tão bom! Basta de pecar! Amai-O! Amai-O!»
(Pensamentos soltos; 14/07/1948)

domingo, 12 de outubro de 2014

O Amor ao próximo é a medida do nosso amor por Deus

«Não te contentes em fazer o bem,
mas junta a isso
a doçura,
a amabilidade,
como fez Jesus.»


Beata Maria Cândida da Eucaristia | 1884 - 1949
Novenas, Pensamentos, Poesias, 58



"O Amor ao próximo é a medida do nosso amor por Deus".

Santa Edith Stein


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

O coração fechado não numa praça pública

 
O Santo Padre destacou que é preciso proteger o coração onde mora o Espírito Santo, como se protege uma casa com a chave, a fim de que não entrem outros espíritos. Depois, vigiar o coração, como uma sentinela.
“Quantas vezes entram os maus pensamentos, as más intenções, o ciúme, a inveja. (…) Se eu não me dou conta do que entra no meu coração, ele se torna uma praça, onde todos vão e vem. Um coração sem intimidade, um coração onde o Senhor não pode falar nem ser ouvido”.
Nesse sentido, o Papa disse que se pode adotar uma prática antiga na Igreja, mas boa: o exame de consciência. Trata-se de ficar sozinho no fim do dia e se perguntar o que se passou no coração ao longo da jornada. Segundo Francisco, se a pessoa não faz isso, então não sabe realmente vigiar nem proteger o coração. Ele disse ainda que o exame de consciência é uma graça, porque proteger o coração é proteger o Espírito Santo que está lá dentro.
“Nós sabemos, Jesus fala claramente, que os demônios voltam sempre. Mesmo no fim da vida, Ele – Jesus – nos dá o exemplo disso. E para proteger, para vigiar, para que não entrem os demônios, é preciso saber recolher-se, isso é, estar em silêncio diante de si mesmo e diante de Deus, e ao fim do dia perguntar-se: ‘O que aconteceu hoje no meu coração? Entrou alguém que não conheço? A chave está no lugar?’. Isso nos ajudará a nos defendermos de tantas maldades, mesmo daquelas que nós podemos fazer, se entrarem esses demônios, que são muito espertos e no fim enganam a todos”.

Arquivo do blogue