domingo, 14 de agosto de 2016

Ditoso o coração enamorado

«Ditoso o coração enamorado,
que só em Deus pôs o pensamento;
Por Ele renuncia a todo o criado
e n’Ele encontra sua glória e contento.»

Santa Teresa de Jesus | 1515 – 1582
Poesias 5

Dar sem buscar recompensa

«Amar sem medida quer dizer
sacrificar-se sem lamentos,
dar sem buscar recompensa,
perdoar sem rancores,
ajudar sem se cansar.»

Beata Maria Josefina de Jesus Crucificado | 1894 - 1948
Autobiografia. p. 369

Fazer Penitência por nós

«Porque todos somos pecadores,
todos temos necessidade de orar
com humildade e perseverança.
Nisto mesmo, o divino Salvador
nos deu exemplo, porque tomou
sobre Si os nossos pecados e
quis fazer oração por nós.
Foi assim que, antes de iniciar a Sua vida pública,
passou quarenta dias e quarenta noites,
no deserto, a orar e a jejuar
para fazer penitência por nós.»

Serva de Deus Irmã Lúcia de Jesus | 1907 - 2005
Apelos da Mensagem de Fátima, cap. 8

Não colher as flores

«Repare-se que não são só os bens temporais
e os prazeres corporais
que impedem e contrariam
o caminho de Deus.
Também as consolações
e os prazeres espirituais,
quando se procuram
ou efetivamente se têm,
impedem o caminho da cruz do Esposo Cristo.
Portanto, a quem quiser avançar,
convém não ficar a colher essas flores.
Mais ainda, é preciso
que tenha a coragem e a valentia de dizer:
Nem temerei as feras,
e passarei os fortes e fronteiras.
Nestes versos refere-se aos três inimigos da alma:
o mundo, o demónio e a carne.
São eles que lhe fazem guerra
e colocam obstáculos no caminho.»

S. João da Cruz | 1542 - 1591
Cântico Espiritual.3, 5

Tratemos a Virgem Maria como uma Mãe

«Tratemos com a Virgem Maria
como com uma Mãe.
Confiemos a Ela
as nossas debilidades
a fim de que Ela as ajude a vencer;
as nossas tendências
a fim de que as oriente para o bem;
os nossos pensamentos
a fim de que os torne castos;
os nossos afetos,
a fim de que os guarde puros.
Caminhemos até Deus por Maria;
seja Ela a escada para ir até Ele,
como é para nós canal das Suas graças.»

Beata Maria Josefina de Jesus Crucificado | 1894 - 1948
Conselhos. 2, 22

O Amor vence as tribulações

«Às almas mais generosas
costumam apresentar-se outras feras
mais interiores e espirituais,
como sejam, dificuldades e tentações,
tribulações e trabalhos de várias espécies
pelos quais é conveniente passar.
Deus manda-os
aos que quer elevar a grande perfeição,
provando-os e examinando-os
como ouro no fogo,
conforme diz David:
“Muitas são as tribulações dos justos,
mas de todas elas os livrará o Senhor”.
Contudo, a alma enamorada,
que estima o seu Amado
acima de todas as coisas,
confiando no seu amor
e no seu auxílio,
não tem grande dificuldade em dizer:
“Nem temerei as feras, e passarei os fortes e fronteiras”.»

S. João da Cruz | 1542 - 1591
Cântico espiritual. 3, 8

Resistir até ao sangue na luta contra o pecado

Heb. 12,1-4.
Irmãos: Estando nós rodeados de tão grande número de testemunhas, libertemo-nos de todo o impedimento e do pecado que nos cerca e corramos com perseverança para o combate que se apresenta diante de nós,
fixando os olhos em Jesus, guia da nossa fé e autor da sua perfeição. Renunciando à alegria que tinha ao seu alcance, Ele suportou a cruz, desprezando a sua ignomínia, e está sentado à direita do trono de Deus.
Pensai n’Aquele que suportou contra Si tão grande hostilidade da parte dos pecadores, para não vos deixardes abater pelo desânimo.
Vós ainda não resististes até ao sangue, na luta contra o pecado.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

O Pai Nosso, segundo o Papa Francisco

Quando orardes, dizei:" Pai ... ", respondeu Jesus, e o Papa salientou que esta palavra “Pai”  o "segredo" da oração de Jesus, é a chave que Ele nos dá para entrarmos numa relação de diálogo confidencial com Deus.
Ao apelativo "Pai" Jesus associa dois pedidos – prosseguiu Francisco: 
"Santificado seja o vosso nome, venha o vosso reino", para realçar que a oração de Jesus, e também a oração cristã, é antes de tudo dar um lugar a Deus, deixando-o manifestar a sua santidade em nós e fazendo progredir o seu reino na nossa vida.
Outros três pedidos complementam o "Pai Nosso", pedidos que exprimem as nossas necessidades fundamentais: pão, perdão e ajuda na tentação:
“O pão que Jesus nos faz pedir é o pão necessário e não o supérfluo; é o pão dos peregrinos, um pão que não se acumula nem se desperdiça, pão que que não torna pesada a nossa marcha; o perdão é, antes de tudo, aquele que nós mesmos recebemos de Deus: somente a consciência de sermos  pecadores perdoados pela infinita misericórdia de Deus pode fazer-nos capazes de fazer gestos concretos de reconciliação fraterna; o último pedido, "não abandonar-nos na tentação", exprime a consciência da nossa condição, sempre exposta às insídias do mal e da corrupção”.
E Jesus prossegue tomando como modelo de oração a atitude de um amigo em relação com outro amigo e a de um pai em relação com o filho. Ambas as parábolas querem ensinar-nos a ter plena confiança em Deus, que é Pai, disse o Papa ressaltando que Ele sabe melhor que nós as nossas necessidades, mas quer as apresentemos a ele com coragem e com insistência, pois esta é a nossa maneira de participar na Sua obra de salvação.
“A oração é o primeiro e o  principal ‘instrumento de trabalho’ em nossas mãos! 
Insistir com Deus não é para convencê-lo, mas para fortalecer a nossa fé e a nossa paciência, ou seja, a nossa capacidade de lutar juntamente com  Deus pelas coisas que verdadeiramente são importantes e necessárias. Na oração somos dois: Deus e eu a lutar juntos para as coisas importantes”.
Entre estas coisas importantes, disse ainda Francisco, tem uma que é mais importante do que todas, mas que quase nunca pedimos, e é o Espírito Santo, pois Jesus diz: "Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o vosso  Pai celeste dará o Espírito Santo àqueles que lho pedem!". 
O Espírito Santo serve para vivermos bem, para vivermos com sabedoria e amor, fazendo a vontade de Deus, concluiu convidando a todos e a cada um a pedir ao Pai durante esta semana: “Pai, dá-me o Espírito Santo, Pai, dá-me o Espírito Santo”. 
Que a Virgem Maria cuja vida foi toda ela animada pelo Espírito de Deus, nos ajude a rezar ao Pai unidos a Jesus, e a vivermos não de maneira mundana, mas segundo o Evangelho, guiados pelo Espírito Santo.

Angelus
24-VII-2016

domingo, 26 de junho de 2016

Vós sois o meu refúgio

Salmos 16(15),1-2.5.7-8.9-10.11.
Defendei-me, Senhor: Vós sois o meu refúgio.
Digo ao Senhor: "Tu és o meu Deus."
Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,
está nas vossas mãos o meu destino.

Bendigo o Senhor por me ter aconselhado,
até de noite me inspira interiormente.
O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei.

Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta,
e até o meu corpo descansa tranquilo.
Vós não abandonareis a minha alma
na mansão dos mortos,

nem deixareis o vosso fiel sofrer a corrupção.
Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,
alegria plena na vossa presença,
delícias eternas à vossa direita.

Presença de Deus na língua

“Tenho de ser de Deus no olhar, nas palavras, no gestual, nos sentimentos, nas obras, nos passos. Deus quer-nos na hora da Missa, mas também depois da Missa. 
Deus quer-nos quando estamos sentados nos bancos da igreja, mas também quando estamos a tomar duche. 
Deus quer-nos e quer a nossa língua para nela pousar a Santíssima Eucaristia e para vê-la rezar o Pai Nosso, mas também quer a nossa língua quando estamos ao telemóvel e as nossas palavras e mensagens quando estamos nas redes sociais”, prosseguiu, alertando que “não dá para ser pela metade de Deus”.

 Santo António ensinou a falar na ausência de uma pessoa somente aquilo que eu teria coragem de falar na presença dela”, acrescentou o sacerdote, lembrando que a língua daquele santo que viveu nos séculos XII e XIII permanece “intacta” ainda hoje. “O que sobrará da nossa língua?”, perguntou, lembrando que as “palavras podem «curar» ou «adoecer» alguém, abrir «portas» ou fechar «portas», levantar «muralhas» ou estender «pontes»”. “Santa Faustina disse «quem não sabe se silenciar, no céu não haverá de morar»”, acrescentou, lembrando que a palavra deve ser “fruto” da oração.

 "Se você tem um encontro pessoal com Jesus, se rende a sua vida a Jesus, passa a viver em renovação de vida. Se abre a alma ao Espírito Santo que santifica tudo e todos, passa a louvar, agradecer e a ter palavras doces para as pessoas. 
Todos nós, pela nossa vida, devemos transformar maldições interiores ou exteriores em bênçãos, ao ponto de, onde chegarmos, as maldições irem embora e as bênçãos de Deus pairarem naquele lugar"

Padre Márlon Murcio
 14/96/2016
Renovamento Carismático

terça-feira, 7 de junho de 2016

Os pequenos e grandes sacrifícios

«Amemo-l’O em verdade,
dando-lhe todos os sacrifícios
grandes e pequenos que Ele nos pedir
e retiremos forças na nossa união com Ele.
A alma que vive sob o olhar de Deus
encontra-se revestida da sua força
e é valente no sofrimento.»

Beata Isabel da Trindade | 1880 - 1906
Carta 308

Ó Jesus, é por Vosso amor

«E o que é que Nossa Senhora nos disse?
“Sacrificai-vos pelos pecadores
e dizei muitas vezes,
em especial sempre que fizerdes algum sacrifício:
Ó Jesus, é por Vosso amor,
pela conversão dos pecadores
e em reparação pelos pecados cometidos
contra o Imaculado Coração de Maria.”
É que Maria sofreu no Seu Coração de Mãe
toda a ofensa cometida contra Deus,
Jesus Cristo, Seu Filho.»

Serva de Deus Irmã Lúcia de Jesus | 1907 – 2005
Como vejo a Mensagem. pg. 51

A oração e o silêncio sãos as muralhas que nos guardam

«Organiza a tua vida:
em oração, retiro e silêncio,
e estas muralhas, guardar-te-ão
contra os inimigos.
Na oração,
no silêncio e retiro,
te encontrarás a sós com Deus.
Se os demónios, usando o mundo como seu aliado,
cercam a fortaleza;
se te atacam com calúnias,
com línguas maldizentes e te combatem,
já sabes até onde chega o mundo.
Se és privada dos santos sacramentos,
humilha-te
e Deus,
que não tem as Suas mãos atadas a estes sinais,
Te abençoará.
Por isso, não te preocupes,
segue inalterável,
serena e em paz
na tua relação com Deus.»

Beato Francisco Palau | 1811 - 1872
Carta 40, 2

Santificar o dia

«Devemos, santificar o nosso trabalho,
o nosso descanso,
o nosso alimento,
as nossas recriações honestas
como se fossem uma permanente oração.
Sabendo nós que Deus está presente,
basta lembrar-nos d’Ele
e de vez em quando
dirigir-Lhe alguma palavra:
quer seja de amor
– Amo-Te, Senhor! –,
quer seja de agradecimento
– Obrigado, Senhor, por todos os Teus benefícios –,
quer seja de súplica
– Senhor, ajuda-me a ser-Te fiel;
[…] Este trato íntimo e familiar com Deus
transforma os nossos trabalhos
e as nossas ocupações diárias
numa verdadeira e permanente vida de oração,
torna-nos mais agradáveis a Deus
e atrai sobre nós graças e bênçãos
de especial predilecção»

Serva de Deus Irmã Lúcia de Jesus | 1907 – 2005
Apelos da Mensagem de Fátima 8, 95.

O amor precisa de alimento

«O amor
não pode permanecer ocioso
no coração humano,
age na medida
em que lhe é dado alimento.»

Beato Francisco Palau | 1811 - 1872
Minhas Relações com a Igreja

Todos os dias um passinho

«À maneira de filhos obedientes, já não vos amoldeis aos desejos que tínheis antes, no tempo da vossa ignorância. A exemplo da santidade daquele que vos chamou, sede também vós santos em todas as vossas ações».
Fala-se aqui de «conversão».
Disse o Papa: ao longo do caminho «não devemos olhar para trás: é uma estrada para ir em frente, rumo ao horizonte, com esperança, coragem e abertos à graça», mas pode acontecer que «um dia progrido, noutro regrido. Isto não ajuda», faz com que permaneçamos «parados no mesmo lugar». 
 Portanto «todos os dias» precisamos da conversão.
Talvez alguém possa dizer: «Padre, para me converter devo fazer penitências, flagelar-me», mas – explicou Francisco – servem «pequenas conversões». «Se conseguires não falar mal dos outros, estás no bom caminho para te tornares santo». Somos chamados a coisas simples: «Tenho vontade de criticar um vizinho, um colega de trabalho?» será útil «morder a língua um pouco», talvez «ela ficará inchada» mas «o vosso espírito será mais santo neste caminho».
O importante é «prosseguir» neste caminho «simples» mas que exige também «força» – «que é um dom do Espírito Santo – para «carregar os sofrimentos».  
De qualquer maneira, eles chegam mais cedo ou mais tarde: «uma doença ou a morte de uma pessoa querida, um problema com os filhos ou com os irmãos, um problema mais grave nos negócios ou no trabalho». 
A referência é sempre Jesus, o qual «prosseguiu e sofreu». 
Assim também para nós «há os pequenos pedaços de cruz», mas há também «a alegria deste caminho» durante o qual, «em todos os momentos» nos encontramos com Jesus.
Portanto, resumiu Francisco: «Coragem, esperança, graça, conversão e força», assim «construimos a santidade de todos os dias, na Igreja: cada dia um passinho em frente neste caminho rumo ao encontro com o Senhor». 

Papa Francisco
Homília na Casa de Santa Marta de 24/05/2016

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Um coração aberto e atento

"Deus Nosso Senhor não precisa que ganhes o euromilhões
Apenas que mantenhas o coração aberto e atento!"

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Um colóquio que se aguarda com impaciência

A oração é "Um colóquio que se aguarda com impaciência, à qual se acode com fome de conhecer melhor a Jesus e de trata-lo.
Uma conversa que se desenvolve com delicadezas de alma enamorada e que se concluí com desejos renovados de viver e trabalhar só para o Senhor"
 
in "Recuerdos de Alvaro del Portillo". Salvador Bernal. RIALP
Pág. 279

A prontidão para as pequenas mortificações voluntárias

"(...) a disponibilidade para servir a todos, a enorme capacidade de trabalho e sobretudo, a decisão de estar sempre atento ao que Deus lhe pedia, com a oração e a mortificação; nunca reduzia a mortificação que é outro modo de rezar.
Além da prontidão com que cumpria o próprio dever, inclusive nos dias de doença e esgotamento físico, vi-o praticar pequenas mortificações voluntárias (...)"


Comentários de D. Javier Echevarria sobre o Beato D. Álvaro del Portillo

in "Recuerdos de Alvaro del Portillo". Salvador Bernal. RIALP
Pág. 281

Síntese entre acção e contemplação

"A visão sobrenatural fazia-o trabalhar com sossego e eficácia e acabar as coisas pontualmente.
Refletia a realidade de uma síntese harmoniosa e atrativa entre oração e ação e comprovava-se que a vibração, numa alma contemplativa, de nenhum modo conduz a agitações ou nervosismos, porque, sobre o evidente afinco humano, prevalece o abandono nas mãos de Deus- de Quem tudo se espera"


in "Recuerdos de Alvaro del Portillo". Salvador Bernal. RIALP
Pág. 281

Etiquetas

Arquivo do blogue